Associação dos Comerciantes do Porto


A Associação, realiza em cooperação com os associados, uma política adequada à resolução dos problemas do comércio. Define a elaboração e difunde estudos relativos a soluções que visem o desenvolvimento e prosperidade dos associados. Colabora com a Administração Pública, na definição das coordenadas da política sócio – económica, em matéria de relações de trabalho, previdência, desenvolvimento regional, crédito, investimento, comércio externo, fiscalidade e outros.

Conjuga a sua actividade com as Federações e Confederação do Comércio, bem como com as outras associações congéneres para a resolução de problemas comuns. Promove a defesa dos comerciantes contra práticas de concorrência desleal ou abusiva, mediante o exercício de acção disciplinar, e nos termos da legislação aplicável.

Estuda e propõe soluções para os problemas que se refiram aos horários de funcionamento dos estabelecimentos das actividades que representa. Elabora estudos e esquemas referentes a margens de comercialização dos produtos que são objecto do comércio das actividades que representa.

Possui um gabinete de estudos económicos e jurídicos para apoio aos associados. Tem em pleno funcionamento um serviço de saúde, em colaboração com a Administração Regional de Saúde do Porto, destinado aos associados e seus familiares.

A Associação tem cerca de 3500 firmas associadas, as quais se encontram agrupadas em 12 divisões segundo a afinidade do ramo ou ramos de actividade que exercem.

A Associação dos Comerciantes do Porto é proprietária de um valioso património imobiliário, representado pelo edifício situado na Avenida Rodrigues de Freitas, n.º200, da cidade do Porto, onde se encontra instalada a sua sede, a qual dispõe de amplas e eficientes instalações capazes de proporcionarem aos seus associados a dignidade e o conforto que lhes são devidos.

A Associação dos Comerciantes do Porto, orgulha-se de, no decurso das suas nove décadas de existência, sempre ter tido a dirigi-la uma plêiade de bons e dediados comerciantes, a quem muito se deve em canseiras, espírito de sacrifício e devoção, postos na defesa intransigente dos interesses do comércio.

Nuno Camilo